sexta-feira, 6 de janeiro de 2017

Ser normal é chato

Como não respirar esse tema? Como não problematizar as consequências da aceitação? Me diz como eu poderia não ser vinte e quatro horas por dia esse assunto, sendo que estou sete dias por semana sentada aqui? E eu seria dramática estando ou não nesse lugar, eu me lembro de já ter esse lado teatral aos quatro anos de idade.
Todo o dia eu faço uma descoberta a respeito de como uma cadeira é vista, do lado de fora e do lado de dentro. Atípico pra mim é quando não me olham, e ainda estranham por eu falar tanto sobre isso? Eu não acredito em acaso - o nome desse blog também não foi um -, tudo que me foi dado pra enfrentar tem seu propósito, e vejo isso sempre como um crescimento.
Continuarei falando sobre isso pra poder continuar crescendo com isso, mas não confundam, eu não estou bitolada achando que meu mundo é só a cadeira de rodas, perco as contas de quantas vezes no dia ao olhar pra baixo, me assusto ao lembrar que estou sentada e não andando em pé como os demais, porque a cadeira não é o que me compõe, não é o que me faz, é o que me ensina.
A cadeira é minha professora e eu sou a aluna que, às vezes, ao invés de aprender a lição, estou distraída ao celular, mas que quando começa a tirar notas baixas, se atenta mais e retoma ao papel de aprendiz. É isso que eu sou, uma aprendiz, por isso não cobre de mim uma maturidade que eu não preciso ter, que talvez eu nunca precise. Aprender a ser diferente numa sociedade que prega a beleza da diferença, enquanto tudo o que você queria é ser igual, não é fácil.
Se eu chegar num ponto em que eu saiba como responder a todos os curiosos, e passe por toda situação constrangedora sem me constranger e pare de me incomodar com os obstáculos nas ruas, então, quando isso acontecer, todo o sentido se perderá e estar sentada aqui já não trará mais atribuições! Se esse é o meu lugar, que seja pra fazer de mim uma pessoa nova todos os dias, por isso se você não gostar de mim hoje, me conheça de novo amanhã.

P.s.: recebo mensagens de pessoas que passam por situações parecidas e depois de verem os textos, se olham de forma mais confiante. Saber que alguém que precisa dessas palavras está em algum canto do Brasil me lendo e sendo ajudado(a), é o que me faz continuar escrevendo aqui pra todos e não num caderno escondido no quarto.

segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

Não agrade. Ame (se puder).

Não tente agradar, por que faria isso? Quer se sentir melhor diante de Deus? Ele disse pra amar ao próximo e não pra agradar. Penso que porque o amor não cobra nada em troca, não lista os feitos, não exige mudanças, não inveja e não vitimiza. Eu não sou de fato o tipo que agrada mas isso não significa que eu deseje coisas ruins. Não busco reconhecimento, eu tenho sonhos e passei muitos anos acreditando que não os alcançaria, mas agora acredito porque finalmente eu sei amar, ao próximo e a mim - passei tempo demais tendo medo das minhas verdades.
Eu me amo muito, mas nem sempre foi assim e não tenho intenção de ficar contando minha história para que todos me vejam através do que eu vivi e não do que eu mostro viver. Se tiver algum problema em relação ao meu comportamento, saiba que muitos antes de você também tiveram, eu estou suficientemente acostumada com atitudes assim, o bastante para saber que eu só aprendo com isso e não me envergonho quando falho ou quando preciso recomeçar, mas que nunca fiz isso por causa de alguém a não ser por causa de mim mesma. 
Sou egoísta por ser como eu sou? Talvez. Mas me julgar sem conhecer minha estrada não faz de você um ser melhor do que eu, te faz apenas um ser humano, como todos ao seu redor, os que você considera dignos e os que não considera. Hipocrisia sem tamanho achar que todos precisam ser amados mas separar em grupos quem merece e quem não vale a pena. Eu valho muito a pena pra mim mesma, o suficiente pra cada vez menos me machucar com quem diz algo pra mim que não corresponde com a verdade dele mesmo.
Diferente da maioria dos meus desabafos, vou terminar esse dizendo que não tenho certeza sobre o que de fato aconteceu com você, comigo, com a gente. E que a atenção é perigosa pra alma, palavras de alguém que nunca passou despercebido e ainda não aprendeu a lidar com isso. Sem falsidade, não desejo nada de ruim pra você, mas desejo que você aprenda como eu aprendo e me esqueça pra poder seguir em frente um caminho que é só seu, sem competição e sem vencedor. Ganha mesmo quem for feliz na sua essência sem precisar ficar provando pro mundo, porque assim como não acho necessário exibir que me importo, também não preciso que vejam minha felicidade, apenas sinto.