sábado, 24 de dezembro de 2016

Minha mãe sabe o que diz

Minha mãe sabe o que diz, e ela me diz pra não deixar as pessoas entrarem tanto assim na vida de repente. Essa minha mania confronta com meu jeito extremo de gostar muito de uma pessoa ou não gostar nada. Conheço muitas pessoas, considero pouquíssimas delas pessoas próximas, uma ou duas com quem confio compartilhar o sentimento que está por trás da minha expressão.
Logo, quando rola uma decepção, é decepção com quem eu deixei atravessar a porta, quem eu deixei saber onde eu moro e o que mora dentro de mim, deixei conhecer o Marley, não senti ciúmes de compartilhar a sabedoria da minha mãe e a bondade sem fim do meu pai. Tanta benção assim não é compreendida por quem ainda não conheceu o poder de Deus.
E sabe, ontem a noite dormi assim que me deitei, meu coração estava em paz porque Deus habita nele, e lamento por nem todos aceitarem que nada somos sem Ele. O único espírito que eu respeito é o Espírito Santo, que não espia, não julga, não cria discórdia, pelo contrário, traz paz. Paz essa que eu senti quando Deus afastou aqueles que não o aceitam.
Provocação, descontrole, alucinação, nada disso vem de nós, mas quando acontece foi porque nós abrimos as portas pro dono disso entrar. Eu abro minha vida para algumas pessoas que infelizmente carregam isso com elas, mas Deus imediatamente me alerta, e quando eu insisto Ele vem e me livra, me presenteando posteriormente com um sono tranquilo, o sono dos livres. Quem acredita nas escolhas de Deus é livre. Hoje livre sou

terça-feira, 22 de novembro de 2016

Sou amiga do meu ex

Sou amiga do meu ex, e sabe qual é o problema disso? Nenhum. Só porque não funcionamos como um casal não quer dizer que não possamos funcionar de outro jeito. Não existe sentimento ruim guardado pelo outro, não existe nem sequer uma explicação clichê, apenas acordamos amigos um dia e soubemos que aquilo era bom.
Eu dividi todos meus planos com ele, minha rotina, o inclui nos meus sonhos e onde ia sempre tinha que ter lugar pra dois porque ele iria comigo. A gente conversou sobre tudo que era possível e cabia no nosso tempo, a gente soube ouvir e entender o outro mesmo quando ser imparcial era quase impossível. Eu defendia ele mais do que a mim própria, pois sabia que ele cuidaria disso por mim.
E se não há nada de ruim que tenha nos desviado desse relacionamento amoroso, por que é que eu deveria não vê-lo, desejar a infelicidade dele, apagar nossas fotos de momentos felizes? Por que é que não posso ser amiga dele? Por que não é o que o mundo faz? Pro mundo quando um casal termina, eles se excluem das redes sociais, apagam os registros da história deles e falam mal do que viveram. É isso que é certo?
Bom, mas se eu não o odeio e ele não me odeia, se o papo ainda é sensacional, se ele já me conhece tanto a ponto de me dar conselhos como ninguém, se eu não encontro motivos nenhum para mante-lo longe, ainda assim devo me afastar porque ele é um ex? Não. Justamente por ele ter sido meu namorado é que ele se tornou meu melhor amigo hoje.
Eu existo dessa forma, tendo perto quem me faz bem e não quem faz sentido. Ele sabe disso. Meus pais sabem disso também. Confesso que quase ninguém concorda, mas jamais tiraria do meu lado alguém que amo por puro capricho da sociedade que gosta de criar regras que interferem no particular das pessoas. Sem essa, ok? O amor é o único motivo pelo qual vale a pena ficar perto de alguém, e eu o amo.    

terça-feira, 8 de novembro de 2016

Cadeira.

Cadeiras não me incomodam. Cadeiras que esbarram, que eu esbarro, que estão na minha frente e quando são retiradas pra eu passar. Cadeiras não me ofendem e nem me diminuem, eu sei o meu tamanho, e o tamanho da minha cadeira. Sei o espaço que eu uso e sei que não me importo nem um pouco em precisar de mais chão do que os outros. Chão não me machuca. Quanto mais chão melhor.
Quando eu apareço, apesar dos olhos revirados que recebo, quem dá passagem é sempre o outro. Isso não me dá prazer, mas também não me dá tristeza. Triste é não ter caminho próprio e precisar tentar impedir o caminho do outro. E quando esse outro for eu, só haverá a tentativa mesmo, pois costumo chegar onde eu quero porque meu foco está em mim mesma.
Eu sempre estou sentada, mas entenda que apenas meu corpo está acomodado, minha mente está em constante evolução, inclusive graças a essa evolução é que eu fico por aí sem olhar para os lados, sem reparar no incomodo de quem não gosta de me ver passando. Vou passar muito por aí ainda, ok. Se quiser ficar no caminho de propósito, esteja preparado pra se levantar quando eu chegar. 
Legal mesmo é sentir as reações de quem não aceita de jeito nenhum o fato de eu decidir todos os dias ser eu mesma, mesmo que me vejam apenas como uma cadeira. Gosto disso agora, a cadeira não é quem eu sou, mas hoje vejo que a cadeira me deu o mundo que eu não alcançava antes sem ela. Eu gosto de cadeira, por isso entendam que colocar uma cadeira na minha frente não me machuca, me motiva.

sexta-feira, 14 de outubro de 2016

O amor não se despede

Tem despedida que a gente não entende, mas que a trajetória nos ensinou a aceitar mesmo que doa. Deixar ir é a parte mais difícil do amor, mas só alguém que ama consegue dizer tchau sorrindo. E quando gostamos, a tendência é prender, manter perto só de nós e mais ninguém. Diferente do amor que sabe dar ao outro o espaço que ele precisa.
A obsessão não é amor. Quem acredita que é, nunca amou. Já se apaixonou, desejou... Mas amor não, isso não sentiu. Reconhecemos o amor pelo oi dito com o olhar, pelo toque, sabemos o que ele está pensando não por costume e convivência, e sim por sentir o que bate no coração do outro.
O amor também dificilmente enjoa, o amor sempre busca uma ideia inovadora, faz naturalmente de tudo pra não se gastar pelas laterais. O amor sabe o que faz, mesmo quando não pensa, mesmo quando não sabe o que virá, ele nos faz sentir as certezas mais duvidosas para o mundo racional, mas a gente sente. E obedece. E dá certo.
As despedidas do amor não costumam ser eternas, pois às vezes apenas não estamos prontos pra ele ainda. Por isso ele nos espera, e nos molda, e nos faz melhor do que jamais achamos possível ser. Amar um amor sem máscaras arranca de nós todos os disfarces, nos faz ser suportável apenas para os que também não se escondem.
O amor faz duas pessoas serem vistas por aí como se fossem uma só, e o mais importante é que apesar disso, o amor permite que cada um tenha seu próprio caminho. Os olhos brilham da mesma forma, e os sorrisos se abrem na mesma velocidade. O amor conecta, liga. E quando chega a hora de voltar, o amor avisa, e a gente sente que sabemos o nosso lugar e que a despedida, na verdade, foi um até breve.

terça-feira, 11 de outubro de 2016

Você está bem pra quem?

Não adianta comprar as melhores roupas, ficar antenado em tudo que está na moda, mudar o cabelo, rir alto pra provar que é feliz, postar ironias de superação e muito mais. Se tudo isso for feito pra mostrar o quanto você está bem. Fazendo isso por esse motivo é o maior indício de que você não está nada bem. 
Você terá todo seu talento reconhecido no momento em que tiver ousadia de se mostrar, e não tentando diminuir a atenção de quem já superou essa barreira do medo. Você não conseguirá ser melhor do que alguém difamando outra pessoa que não te agrada simplesmente porque ela não tem as mesmas inseguranças que você vê no espelho toda manhã.
Quer ser melhor? Quer estar bem? Faça isso por você, em silêncio e não aos berros desesperados implorando um elogio. Você merece sentir-se verdadeiramente em paz, mesmo que ninguém mais enxergue isso. Não cobre tanto dos outros a sua não felicidade, pois ela não deve vir de ninguém, a não ser nós.
E mesmo que perca a maioria das companhias que costumavam ser próximas, ainda assim, fique satisfeito por não ter perdido a si mesmo. E enquanto muitos acreditarem em maus boatos a seu respeito, tenha em mente que os que te conhecem irão rir dessas conversas. Afinal, os que são de verdade não tem muitos por perto, tem os tão verdadeiros quanto, que são capazes de suportar seus dias bons e de vitória.
Você jamais será obrigado a estar perto de alguém que não queira. Mas se ficar, será responsável por qualquer falta de honestidade e caráter. Os discursos prontos são perigosos porque nunca estamos prontos, um silêncio que substitui a resposta vale mais quando a conversa é um desperdício. 
Se ame. Não porque te dizem que você é amado. Não se pode acreditar muito em palavras, nós nunca sabemos de onde elas vem, assim como não sabemos de onde as pessoas vem. Por isso, foque em você. Cada um, foque em si mesmo. E se for pra ser lindo, rir alto, brincar com ironias, que seja porque é assim que você é, e não porque é assim que espera que o mundo te interprete.


terça-feira, 20 de setembro de 2016

Me encontrei no caminho

Sabia que eu gosto de pintar, de misturar as cores dos lápis e passar horas concentrada nisso sem ouvir nada a meu redor? Eu não sabia que eu gostava tanto disso. Ou sabia e esqueci. O que mais de mim eu devo ter deixado pelo caminho? Quanto tempo passei tentando me reinventar, ignorando que eu já era alguém. Como somos ingratos, queremos sempre o que não foi feito pra nós. Lutamos por isso, conquistamos e logo em seguida vem o vazio de ter trilhado um caminho que não era seu.
Ainda bem que a vida é mais esperta do que eu. Me deu tudo que eu precisava, mesmo enquanto eu buscava algo que não me seria útil. A vida me amou mais do que eu mesma. Me compreendeu. Teve a paciência que eu não tive pra esperar o tempo exato das respostas necessárias. Silenciou quando eu perdi o controle. Aguardou até que eu me desse conta, e me acalmasse, pra mostrar o que de fato eu nasci pra ser. E eu gostei.
Vida que me entrega páginas em branco pra que eu escreva o dia de hoje. Mesmo que provavelmente eu vá cometer uma lista interminável de erros. Confiar no não confiável. Me entregar pra braços que não estão abertos. Pra que então eu aprenda que confiança não significa ter de alguém aquilo que se espera, mas sim ter aquilo que o outro é. Que os braços fortalecidos e abertos devem ser os nossos, receber alguém faz um bem maior do que ser recebido. Ser é maior do que esperar.
Pare de esperar, saia desse banco amargo que te impede de ver o quão boa pessoa você é. Não se entregue apenas para as lembranças que te envergonham. Você já fez coisas extraordinárias. Por que você esqueceu de todas elas? Você tem tanto sentimento positivo, onde foi que você os guardou? Abre esse seu sorriso pros desconhecidos na rua. Deseje bom dia. Você não tem porque não desejar o melhor para todos, independente de sua história com eles.
Sabia que sonho com a faculdade de psicologia desde os dez anos porque sempre amei ouvir as pessoas e refletir sobre o comportamento relatado por elas? Disso eu não me esqueci, mas remodulei. Permita ser alguém novo em cima de quem você já é. Não esqueça os lápis de cor pelo caminho, abandone apenas o que nunca foi seu. 

   

segunda-feira, 12 de setembro de 2016

O mês que não é mais nosso.

Desde que te conheci, setembro passou a proporcionar um novo sentimento. Setembro sempre foi especial, é o mês em que as flores voltam a colorir os parques, mas você trouxe mais cores, mais coisas pra eu apreciar, você trouxe o eu que tanto buscava em outras pessoas. Você me deu um caminho pra seguir, e um lugar onde habitar em todo setembro que virá. 
Setembro costumava ser nosso mês. Era quando a gente comemorava o fim da sua teimosia, e o início de uma vida boa que seria pra sempre, que duraria todas as estações de todos os próximos anos. Você e eu era pra ter sido eterno, se tivéssemos sido fiéis ao nosso plano. Talvez o erro tenha sido justamente termos planejado demais, ter esperado demais e feito de menos.
Mesmo que agora tudo seja claro, e que saibamos o que faltou, não seria mais a mesma coisa. Já nos machucamos, não nos olhamos mais da mesma forma, nem o abraço é mais reconfortante. Não que nunca tenhamos sido amigos, mas no fim foi o que restou, nossa amizade. E apesar do "pra sempre" não ter dado certo uma vez entre nós, vou apostar nele mais uma vez e dizer que nossa amizade durará todos os próximos setembro, janeiro, maio...
E porque será que estou dizendo isso agora? Porque olhei no meu calendário os eventos desse mês e notei que não tinha nos colocado lá, como de costume. E confesso que comecei a escrever esse texto com uma tristeza conformada. No entanto, acabo de perceber que triste é ter um dia só pra ser feliz por algo tão bonito.
Não nos marcarei mais no calendário. E sim, serei feliz a cada dia da minha vida por ter você por perto apesar das tantas voltas que a vida deu em nós. Você é importante pra mim hoje, foi ontem e tenho certeza que continuará sendo amanhã e semana que vem. Todos os meses serão nosso, pois nossa história merece ser contada em qualquer época do ano. Quanto a nós dois, continuaremos sendo nós, mas de maneira diferente. 

quinta-feira, 8 de setembro de 2016

Mesmo não sendo mãe de um surdo

Eu não sou mãe. O mais próximo que chego disso é ter um labrador criado dentro de casa, chamado de bebê, que escolhe onde vai dormir toda noite. Eu nunca engravidei, nunca passei nove meses sabendo o que é ter uma outra vida dentro de mim. Nunca abri mão de mim por uma criança, nunca deixei de sair pra amamentar. E eu não sou mãe de um filho surdo, nunca tive que decidir qual seria o melhor caminho pra ele. Nunca senti o vazio de ouvir um diagnóstico preciso e não ter a menor noção do que fazer dali em diante. 
Por tudo isso, eu assumo não ser a pessoa mais indicada pra fazer essa reflexão. No entanto, mesmo nunca tendo sentido na pele, já senti diversas vezes no coração. Quando um adolescente tem como maior sonho poder chegar em casa e contar pra família como foi seu dia na escola, ou aquele olhar carregado de vontade de fazer parte de algo por inteiro pela primeira vez. Ou as tantas vidas que se encontram e se tornam família mesmo já tendo uma dentro de casa.                         
Eu compreendo que querer que seu filho seja como a maioria, é uma forma de amá-lo, de tentar evitar que ele seja rejeitado e humilhado. E optar pela oralização é uma tentativa de encaixá-lo no tido como normal. Mas por que ele é que deve se encaixar? Cresci observando as relações e comportamentos, e sempre quem se molda ao filho são os pais, a família, a escola. Por que com os surdos é diferente, por que desde que nascem eles é que são cobrados a ser como os outros mesmo que aquilo não seja natural e nem produtivo pra eles?                         
Querer o melhor pro filho não seria antes conhecer de fato todos os caminhos e só então decidir? Desculpa pelo que vou dizer: os médicos já têm um discurso normalizador pronto pra te ganhar, eles sabem o que os pais querem ouvir, que coincidentemente é o que dá mais dinheiro a eles. Eles te convencem de que seu filho só será alguém se ele ouvir e falar uma língua oral. Mas a verdade é que ele nunca será alguém se você não permitir que ele seja. Ele poderá optar pelo uso de aparelhos auditivos, mas quando ele mesmo tiver consciência para fazê-lo. Mas anterior a isso deve vir a língua de sinais que é o que tornará possível essa consciência e todas as outras. Se convencer de que o melhor pro filho é força-lo a algo que o atrasa e não o impulsiona, é decidir o melhor pra você e não pra ele.

quinta-feira, 25 de agosto de 2016

Onde gostaria de estar agora?

Incluir não é segregar. Acessibilidade não é separar a pessoa com deficiência dos demais. O cadeirante não precisa de uma mesa apropriada pra ele, e sim, as mesas de uso comum é que devem ser planejadas pra que todos possam usá-las. "Ah, mas nem sempre o design da peça permite." Design é estética somada com funcionalidade. E se você pensa em como algo vai funcionar, deve se esclarecer de que não somos uma sociedade de robôs planejados em fábricas. Não somos todos iguais. Somos diferentes. E não apenas os cadeirantes, mas também os altos, os baixos, gordos, magros, altos e gordos, altos e magros, baixos com pernas compridas, pessoas com nanismo, gente com pernas grossas e cinturas finas e tantas outras quase que infinitas distinções. Então, quando pensa em priorizar o design, está priorizando quem?
Quero dialogar sobre isso, na verdade, necessito. Eu não quero me isolar pra me sentir mais confortável. Confortável eu me sinto quando sou parte, não há mesa adequada que me tirará do lugar que eu prefiro estar: ao lado dos outros, opinando como os outros, existindo porque eu quero e não porque o governo me dá assistência pra isso. E eu não falo assim por ser privilegiada de qualquer forma que seja, muito pelo contrário. Enfrentei tantas dificuldades quanto os outros. Enfrentei o preconceito, a não aceitação, as chacotas, a negação, as desculpas, a piedade e os olhares. E justamente por todos esses choques é que não vou jamais permitir que me digam o meu lugar, eu é que decido isso.
Decido o meu lugar e todo o resto, decido o que falar, como agir e assim como qualquer outro ser humano, terei que assumir as consequências de tudo mais tarde. Uma boa lição pra todos aprendermos: o que está fora quase nunca reflete o que está dentro, por isso, parem de dizer como os outros devem ser. Eu não me envolvo muito com o movimento das pessoas com deficiência, e isso me é cobrado. Mas eu não quero, porque sinto que minhas ideias entram em confronto com muitas filosofias desse movimento. Mas tudo bem, não há nada de errado nisso, até porque o fato de eu usar uma cadeira de rodas, não me obriga a lutar por essa causa em específico.
Por isso defendo que todos possam escolher, não apenas onde se sentar pra almoçar mas também onde estar durante a vida. Eu estou na Libras, unicamente por amar essa área e tudo que a envolve. É ali que meu coração está, e é onde eu permanecerei. Não é isso o que devemos fazer, estar onde queremos? Noto que assusta as pessoas quando sabemos o que queremos, mas ainda assim continuem querendo. Continuem dizendo "não" pro que não fará bem a vocês. Lutem para não se perderem de vocês mesmos. Vamos tornar mais comum o único e menos atrativo o padrão. 
  

quarta-feira, 24 de agosto de 2016

Como poderia? Mas você pode.

Você é tão simples e tão inteiro, você é tão forte, aguenta em silêncio. Se eu não conhecesse seu olhar, jamais saberia que dói tanto em você ter esperança. Você não cogita desistir deles, não vê a indiferença nas atitudes, você só os ama. E gente, como eu te amo por isso! Você não espalha, não chora em público, não lamenta... Só as paredes do seu quarto do fundo sabem, elas sim conhecem seu coração em todos os cantos.
Toda vez que vejo aquele seu olhar, de quem busca uma piada numa conversa séria pra rir e esquecer, me esforço pra ter em mim a graça que você procura no mundo. Eu quero ser o motivo da sua risada, quero poder tentar preencher suas expectativas frustradas por aqueles que você ama incansavelmente. Algumas pessoas nem precisam se tornar pai e mãe pra sentirem o maior amor do mundo, e outras, mesmo sendo, não sentem.
Não sentem, não veem. Você é tão transparente, tão claro. Quando te vi pela primeira vez, te decifrei por inteiro e você nem fazia questão, ainda assim seu coração se abriu pra que eu entrasse e permanecesse. Você é assim, aceito. Você aceita, você se abre, você acredita, confia. Essas suas qualidades te fazem essa fortaleza de sensibilidade, te fazem simples. Como poderia alguém não corresponder um amor assim?
Sua tristeza me entristece, mas ainda em momentos assim você me faz feliz por confiar em mim. Jamais eu poderei ser o que te falta, mas pretendo continuar inventando piadas que não tem graça pra mim, mas te fazem rir. Você sabe que sua casa é onde você se sente amado, se sente parte, se sente visto e considerado como igual ou diferente, desde que possa se sentir você.








terça-feira, 16 de agosto de 2016

Você é silêncio, e eu palavra.

Sempre escrevi sobre nossa amizade e as tantas diferenças que temos, mas que nunca sequer ameaçaram nossa relação. Mas enquanto lamentava por não poder estar junta de você nesse momento tão importante, é que me dei conta do quanto nós temos de semelhanças. Ambas temos caminhado pela estrada que desejávamos desde os 15 anos, eu me lembro de você sonhando com uma família, uma vida tranquila e um cara que valesse a pena viver todos esses planos ao seu lado. 
Eu ouvia com prazer suas histórias, suas novidades. Tínhamos conversas infinitas por mensagens de texto, pois naquela época não existia whatsapp, lembra? Você me mandava textos enormes, pedindo conselhos. Você sempre confiou nos meus conselhos, mas seguiu poucos deles, pois sua vontade de ser você mesma sempre foi maior do que todo o resto. Mas uma vez vejo um pouco de mim em você. Se estamos onde estamos, foi por nunca abrirmos mão do "não" que dizemos com tanta facilidade pras pessoas.
Você foi aos poucos conquistando tudo que queria, permanecendo linda por dentro e por fora. Lembro como se fosse hoje, sua reação ao se aproximar de mim, você nunca me olhou diferente, nunca questionou minhas crises e limites, nunca fez interrogatórios desnecessários. Você só me aceitou enquanto eu também te aceitava. Nunca precisei que mudasse nada em você pra te amar como uma das pessoas mais verdadeiras que carrego comigo.
Tenho certeza que esses quilômetros entre nós não te faz acreditar menos na força da nossa amizade, e não poder te dizer pessoalmente o quanto estou feliz, não diminui minha alegria ao te ver realizada. Você hoje é uma mulher feita, com a mesma teimosia e vaidade de sempre. E dentro de você, agora, além de histórias, batalhas vencidas, lágrimas que ficaram pra trás, há também uma outra vida que ainda não faz ideia da sorte que possui em ser gerada por você. Você é silêncio, e eu palavra. Você é hoje, eu sou amanhã. Você será mãe, e eu sua melhor amiga pra sempre.  

Eu te amo, amiga-irmã.


quarta-feira, 3 de agosto de 2016

Quem lutou por esse lugar fui eu

Você deve ter pensado que tinha vencido essa guerra que existiu apenas dentro da sua cabeça. Deve ter pensado que tinha finalmente me deixado abaixo de você. Imaginou que eu voltaria de cabeça baixa, implorando respostas. Eu poderia justificar tanto equívoco pelo pouco que você me conhece, mas na verdade você não me conhece nem isso, você não sabe nada sobre mim, sobre o quanto eu posso suportar e os tipos de pessoas que já tive que enfrentar.
Nas palavras da Taylor Swift: "poderia construir um castelo com todas as pedras que já jogaram em mim." Na verdade, posso construir um agora apenas com as pedras que você jogou, o engraçado é que essas pedras não estavam acertando, mas quando olhei pra trás vi aquela montanha enorme nas minhas costas, que me acertou toda de uma vez só.
O castelo ainda não foi erguido, mas sim um muro enorme em volta de mim que te impedirá de se aproximar novamente, muro inquebrável, beleza. Não perca seu tempo, aquele que você gastava me ajudando porque se sentia obrigada. Não gaste suas palavras, aquelas que você era tão boa em usar quando eu não estava presente. Não gaste você comigo, eu nunca precisei, você é que precisa.
Eu admito que o golpe foi forte, que eu quase desisti de tudo que vim fazer aqui, que quis nunca mais sentir isso, mas aí lembrei de quando soube dessa oportunidade, de como larguei tudo que eu mais amava pra fazer parte disso. Lembrei do meu sonho, lembrei da minha história, e nada vai me tirar desse caminho porque ele foi minha escolha, e eu a escolha dele. Estou aqui por amor. Estou aqui por não saber amar mais nada no mundo desse jeito. Você possivelmente não entenderá, mas apenas aceite que eu vou permanecer onde estou, e não sei o quanto te incomoda, mas se eu fosse você me conformaria.

quarta-feira, 6 de julho de 2016

Dói quando não funciona

Eu achava que a gente tinha funcionado, que era inquebrável, que duraria o tempo suficiente de viver todos aqueles planos cafonas que fizemos. Eu achava que você era a essência que me completava, que dava sentido pra tudo que eu não entendia na vida. Eu pensava em nós dois como a mais perfeita parceria, cheia de brilho e respostas.
Eu vi que respostas absolutas não respondem pra sempre porque as perguntas mudam, os vazios, as necessidades e as vontades. Tudo muda tão rápido, que no final, resta um sentimento esquisito de querer que tudo tivesse durado só um pouco mais, mas não tanto a ponto de aumentar as lembranças e a dor delas serem apenas memória agora.
Não vou te nomear como uma decepção, pois fui eu que esperei demais de nós. Não que você não pudesse me dar aquele mundo, mas seria injusto, pois não sonhamos com o mesmo lugar, nem com as mesmas manhãs. Deixar você ir em direção a pessoa que é, foi a mais difícil prova de amor, não que ainda houvesse algo pra ser provado em nós, sempre fomos verdade, antes mesmo de sermos nós.
Te amei desde que entrou atrasado naquela sala, sem corresponder meu olhar que paralisou em você e te seguiu até seu lugar. Que em poucos dias gravou o horário que costumava chegar, e as combinações de roupa que fazia, seu olhar baixo e seu jeito de coçar o braço. Sua mão sempre manteve o aspecto leve e firme ao mesmo tempo, seu jeito de andar que mais parece ensaiado, e seu jeito de rir pra mim, sem censura, riso aberto e despreocupado.
Mesmo que os próximos anos atravessem nossa história, vou sempre me preocupar com você como alguém que se preocupa com um familiar muito próximo. Os textos mais elogiados continuarão sendo os que faço pra você. As conversas mais monossilábicas sempre serão comigo, que nem por isso dirão pouco. E sempre que eu não estiver ao seu lado, pense em mim como alguém que te tem como a melhor companhia pra vida. 
  

quinta-feira, 30 de junho de 2016

Contradizendo quem fomos

Quero que seja feliz, mas não quero que ria com outra pessoa como ria comigo. E nem a ame do mesmo jeito. Quero que encontre quem tanto sonha, mas não quero que a realidade ao lado dela seja mais bonita do que a nossa. Quero que siga seu caminho, mas não quero que as histórias que virão superem as que nós vivemos. Quero que fique bem, mas não quero que me esqueça nem por um segundo. Queria não desejar de forma bondosa e egoísta ao mesmo tempo, mas amar você é assim contraditório. Tentar não amar mais também é, pois há sempre uma esperança disso funcionar, acima da consciência que diz que não deu pra nós dois.
(Flávia Lima) 

sábado, 25 de junho de 2016

Já tentei ser invisível

Já quis não ser olhada, não ser vista, passar despercebida, que não se importassem excessivamente comigo, que não demonstrassem, que não exigissem tanto, que me deixassem em paz e apenas passassem reto. Que não observassem cada mexida minha no pescoço e mordida no lanche. Já quis ficar em casa pra evitar. Quis manter o olhar no chão pra não notar essas coisas, mas existo pelo desejo de assumir o risco.
Pago o preço diariamente por essa postura, apesar de não achar justo que me subestimem por algo que não foi escolha minha. Parece que não posso ser alguém sem que eu seja também o que esperam, tenho sempre que me dividir entre as expectativas e meu instinto, me calando logo em seguida, quando a consequência disso tudo vem a tona. Afinal, tudo não passa de drama e mania de perseguição, não é mesmo?
Ah, como é fácil estar do lado de fora. Gostaria de ter essa visão por um dia, assim como gostaria que tivessem a minha. Colocar a alma no meu lugar é simples, mas vou aguardar até o dia em que possam colocar a pele. Suas decisões não serão mais suas. A maioria das suas vontades serão caladas. Além disso, futuramente, terá tudo jogado na cara.
Mas, um dia, aparecerá alguém que te olha nos olhos e enxerga tudo que você carrega, alguém que vale a pena cada perda. Que dará um final leve pros seus textos pesados, e que vai tirar a culpa de você e colocar amor próprio no lugar. Que vai repetir frases positivas até que registre, te fazendo ver que cuidar de si mesma é a melhor decisão, e que deve caminhar apenas ao lado de quem te vê além do senso comum. Aliás, depois dessa pessoa, nada mais será comum, nem pesado, nem cobrado. Saberá então, que tudo antes estava te direcionando ao encontro de alguém que faria com que você encontrasse também a si mesma.

terça-feira, 21 de junho de 2016

Prefiro não aprender

Ultimamente, aprender tem significado não confiar. Não acreditar que pessoas nem sempre vão agir igual diante da mesma situação. Que serão diferentes, que mudarão, por você, por elas, pelo outro. Mas não, tenho visto que não funciona dessa forma, mas ainda assim prefiro não aprender essa lição e permanecer confiando que da próxima vez tudo será melhor.
Apesar desse pensamento, tenho tido cada vez mais medo da entonação de voz que é sempre suave. Gente de verdade altera o humor, altera as palavras, altera nossa impressão. Gente de mentira é sempre de um jeito só, sabe convencer (ou não). Tenho medo de estar perto de alguém assim e perceber só depois de muito tempo. Medo de confiar minha vida, minhas fraquezas, minhas vergonhas e simplesmente notar, que quem estava ali comigo, na verdade nunca existiu.
To vivendo o tão famoso um dia de cada vez, e o dia de hoje tentou me ensinar que ninguém muda se não for pra benefício próprio, apenas. Fiz uma receita nova de macarrão, enquanto me negava a digerir essa lição. Ficou claro que eu não aprenderia, quando nem comer o meu prato preferido aliviou o sentimento.
Tanta complexidade assim, fez com que eu me cansasse de tentar entender, as pessoas fazem o que querem, se eu me afeto tanto, o erro é meu e não delas. Tenho cometido muito esse erro. Tenho cometido também muitos outros. No entanto, escolho errar, pois decidir fazer o certo é aceitar que não posso esperar o melhor de quem está ao meu lado.
   

quarta-feira, 8 de junho de 2016

Porque a gente não deu certo

A gente deu certo, quando algo acaba não significa que é porque deu errado. Demos tão certo que nossa história foi contada por aí, e dita como inspiração pra muitos casais. Espero que ela continue sendo, afinal, agora estamos cada um seguindo seu próprio caminho, mas um dia já andamos pela estrada juntos e essas pegadas não precisam ser esquecidas. Não precisamos de mágoas pra desapegar um do outro, nós precisamos é de amor, eu sempre vou amar quem você é, sempre terá em mim uma pessoa em que pode confiar, você sempre será quem me apresentou um mundo novo do qual eu nunca saí e nem pretendo.
Muitas coisas nos impediram de permanecer... A falta de tempo, a falta de vida e muitas vezes o excesso dela, a vontade de ir juntos que foi oposta a vontade do outro de ficar. A gente mudou tanto que já não cabia mais em nós tanto eu, tanto você. Crescemos diferente e nem percebemos, decidimos diferente e isso fez doer, quisemos igual mas já não havia mais oportunidade pra algo assim. Demos certo por todo esse tempo, nos dias bons e nos dias nem tão bons assim, deu certo desde o início, e vai continuar dando apesar do fim. Nosso fim também foi certo e do melhor jeito que poderia ser: em paz.
Só não esquece de esconder o celular quando andar sozinho na rua, e também não deixa mais o ventilado ligado antes de sair de casa. Eu prometo me esforçar pra não deixar meu quarto bagunçado sem precisar das suas broncas. Visite sempre o Marley, ele te ama como ninguém, e eu ainda não superei bem esse fato, mas ok, ele também me ama um pouco. Diz mais o que você pensa, você não erra por pensar e sim por não dizer, já eu, prometo que vou me calar mais. 
Eu diria pra você ficar bem, mas seria clichê. Você sempre fica bem, você é assim, de bem com a vida. Não perde o amigo e não perde a piada. Se diverte, diverte os outros, diverte a mim. Vou sentir falta da gente, falta de você e do que eu sou ao seu lado. Vou sempre contar nossa história como uma das melhores, e vou sempre abrir um sorriso quando te ver, como alguém que reencontra um velho amigo, o melhor deles, porque de agora em diante se me perguntarem é o que eu vou dizer, que você na minha vida foi e continuará sendo o melhor. 

quarta-feira, 1 de junho de 2016

Sem MIMIMI

Outro dia escrevi sobre como ninguém entende o que passa na minha cabeça, você imediatamente questionou dizendo que você entendia, que você não era como os demais. Eu não dei moral, claro. Estava tão acostumada com o comportamento padrão a minha volta, que demorei pra perceber que você é diferente. Mas olha eu hoje aqui... Vim pra assumir que você sabe. Sei disso quando dou exemplos e você termina as frases que eu comecei, sei disso quando eu choro e você não sente pena porque vê isso como um obstáculo a ser enfrentado.
Muita coisa em mim tem mudado, devo muito disso a você, a sua preocupação interminável, nossas conversas longas e nossas brincadeiras que mais falam sério do que riem. As suas palavras duras que falam sem censura porque você não gosta de mimimi, e que critica o fato de eu ter um blog e falar sobre minha vida nele. Você acha que eu não preciso disso, acha que eu não enfrento as coisas como deveria, que eu não luto o tanto que poderia. Você me conhece mais do que eu e nem faz ideia.
Você se intrometeu num ponto de mim que nem eu mesma tinha acesso, você chegou com muitas perguntas, e verdades absolutas que não são tão verdade assim. Você nem pediu licença, nem perguntou se eu queria mexer nisso, e que bom que não fez isso porque eu teria respondido "não". Mas lidar com essas questões todas tem sido libertador, e toda dor, no dia seguinte se transforma em uma nova atitude pra cuidar melhor de mim.
Valeu por me olhar e enxergar o que eu escondia, valeu por ver dentro de mim e por me fazer encarar a realidade que você foi a única pessoa com coragem de dizer na minha cara. Valeu por ficar do meu lado virtualmente e fazer tanta diferença assim. Você vai dizer que eu não preciso agradecer, mas pelo menos uma vez na vida cala a boca e deixa eu agradecer, porque eu quero e porque você não sabe o bem que me fez desde que você voltou.

Flávia V. Lima

segunda-feira, 30 de maio de 2016

Não precisa disso. Nunca precisou

Não preciso do medo. Não preciso ter receio de não ser vista como eu sou, de tanto forçar vou acabar me esquecendo de mim, de quem de fato eu sempre fui, de onde eu vim e pra onde quero ir. O passo em falso me fez tropeçar, e quando olhei pro mundo de baixo pra cima, vi o quanto só eu era responsável por estar ali. Passei os últimos meses escrevendo sobre como eu me defenderia dos ataques que vinham de fora, sem perceber que os tiros certeiros vinham todos de dentro. 
Eu espero ter acordado definitivamente dessa vez, espero poder mostrar pras pessoas que sou alguém que sabe como perdoar, que sabe esquecer, que pode ser leve e pode parar de se condenar e se cobrar tanto. Quero terminar de me descobrir, enquanto permito que me olhem sem cessar, e enquanto me esforço muito pra não me incomodar com isso. Verei a atenção como algo benéfico que pode e deve ser usado para o bem.
E os surtos... Ah para esses eu desejo o meu adeus eterno. Por algum tempo eles tomaram conta de mim, a ponto de eu nem saber mais o que era calmaria, e não notar a falta que eu sentia dela. Sempre admirei honestidade nas palavras, talvez por isso esteja escrevendo tudo isso aqui, porque não sou boa em me mostrar pessoalmente, em ser inteira, em ser eu. 
Nunca pude conhecer tanto de mim por conhecer melhor as pessoas. Eu agradeço a essas experiências malucas que vivi nesses poucos anos que passaram desde que eu tive que abaixar o queixo pra levantar o olhar. 
Agradeço a Deus que não fez de mim uma pessoa fácil, e tornou o caminho tão difícil quanto, mas principalmente agradeço a vida por me mostrar quem eu tenho o direito de ser. E pelos tapas que levei até aprender que não é preciso responder a tudo, que não sou eu sempre que devo dar a última palavra, e que muito dificilmente a razão pertence sempre a mesma pessoa.




  

sexta-feira, 20 de maio de 2016

Sou eu que sei

Escrevo desde sempre porque sei que ninguém além de mim mesma sabe e entende o que sinto. Quem está próximo pode até tentar, pode até acreditar que entende, mas não entende e não sabe. Posso ver isso nos olhares quando eu desabafo. Vocês não sabem. Posso ouvir nos exemplos que dão. Vocês não entendem. Não penso que isso faça delas pessoas ruins, apenas não podem entrar na minha mente e saber o que de fato passa aqui.
Digo mente porque o coração ultimamente tem se calado, ele já não sabe mais por quem ser socorrido, ele só se calou e tem esperado um milagre. Não esses milagres sensacionalistas que muitos pensam que preciso. Eu desejo algo muito além e menos óbvio, muito maior do que andar, desejo não precisar andar, mas preciso e não ando.
Imagino poder viver num mundo onde eu não precise me adaptar 24 horas a rotina e manias de outros, já que preciso deles. Tenho minhas próprias manias, eu não sou ninguém mais além de mim, mas não posso ser, eu sou os outros, sou a vontade deles e as escolhas, sou a fome deles e o sono, sou eles. Não sou eu.
Não guardo mais esses sentimentos por tanto tempo, porque posso escrever, um jeito de conversar comigo mesma, de falar e me ouvir. Publicar vem em seguida, não tenho mais medo das conclusões que virão pois sei que não entendem. E não que fizesse alguma diferença. Sou eu que preciso lidar com isso. Eu que preciso sair dessa. Não seria a primeira vez, minha vida não tem como característica ser fácil, mas sempre foi surpreendente.

quarta-feira, 18 de maio de 2016

Meu erro, seu erro

Algumas pessoas não estão preparadas pra lidar com a dor, não estão calejadas o suficiente pra sofrer e identificarem o motivo real disso. Culpam alguém sem deixar que o mesmo argumente e se defenda. Por que? Porque é mais fácil quando o motivo não está dentro da gente, e sim no outro.
Decisão tomada em meio a amargura e paranóia não leva ninguém pra um lugar melhor, não caminha ninguém pra paz. A paz só existe quando existe franqueza, quando existe confiança. E nem sempre que a confiança não existe tem a ver com o outro, às vezes, nós é que somos inseguros e depositamos no outro o peso do nosso passado, mesmo que o outro não tenha feito parte dele.
Só não esqueça que esse outro que você julga tanto, também sofre com suas atitudes inexplicáveis, com seu olhar de raiva gratuita e seu tom de apontar o erro como algo certo e imperdoável ao mesmo tempo. Algumas traições não são dignas de perdão, mas nem todas elas aconteceram de fato.
Repense sobre quem não tem tido paz antes de dormir, quem não está bem com a vida, quem tem buscado mais e mais motivos pra não ser feliz, quem tem inventado desculpas e classifica quem são os culpados. De quem será o erro? Será que há um erro? Será que o problema é comigo ou será que é com você?


terça-feira, 10 de maio de 2016

Você é minha tentativa

Toda tentativa é também amor, é fé. Toda tentativa é certeza de que dessa vez será diferente, toda tentativa é saber que terá um retorno. Toda tentativa é desistir de tentar desistir, é esperança. É querer tanto, a ponto de não enxergar o preto no branco. Toda tentativa é lembrança e expectativa pro futuro. Já o silêncio não, quando ele chega não há mais tentativa e consequentemente tudo o que ela significa. Estou silenciando. Não deixa. Não permita que eu vá mais embora do que já tenho ido. Já pensou se eu não volto? Porque eu nunca pensei, mas tento.



Flávia V. Lima

domingo, 8 de maio de 2016

Cada 'não' que sorriu pra mim

Nunca evitei o 'não'. Nunca. Já fiz cada burrada que as vezes penso que era de propósito pra doer mais e eu crescer junto com isso. Mas tem também as negações que eu não busquei, que apenas vieram por isso e por aquilo. Por eu ser ou não ser algo, por eu ter ou não ter alguma coisa. Lembro de todo 'não' que eu mereci e também os que, ao meu ver, foram injustos.
Quando se é adulto e a vida já te calejou, cada porta fechada abre uma janela de reflexão na nossa mente. Mas quando se é criança, quando se é adolescente, a gente não faz ideia de que toda aquela fase complicada é cimento e tijolo nas paredes que criamos pra nos proteger no futuro. E não estou falando de se fechar e traumatizar. Falo de olhar nos olhos do seu problema e não ter medo e nem fugir dele.
E problema pode ser a sua família que te subestima, ou você mesmo que não acredita ser capaz e inventa dificuldades todos os dias pra não chegar até aquilo que deseja. Talvez você ainda não saiba o que quer, tranquilo. Mas se sabe, se você tem certeza e ainda assim evita, você já se apropriou do pensamento dos outros sobre você. E aí, sinto muito, você está condenado a permanecer onde está a menos que decida se conhecer de fato.
Não sou modelo a ser seguido, mas carrego o olhar de quem pensa assim. Pra que toda manhã quando eu acordar com preguiça da minha lentidão, eu olhe pro espelho e queira ser como aquele olhar que é taxado de arrogante, mas que no fundo é só sobrevivência. 
  

terça-feira, 26 de abril de 2016

Você deve ser seu melhor amigo

Se você pensa em ir longe, então vá. Se esse longe é perto para os outros, não se preocupe porque a distância não é a mesma pra todos. Se os outros te dizem que esse longe é impossível, se afaste, pois os olhos deles não alcançam o mesmo que os seus. O caminho quanto mais comprido melhor, você viverá o que a maioria jamais terá o privilégio de conhecer. Você verá a vida de dentro e de fora e entenderá a importância disso.  
Se você está em dúvida, pode parar pra refletir, até pra descansar porque às vezes a dúvida é só cansaço. E nada como um tempo de nada pra pensar em tudo, pra pensar no hoje sem esquecer do ontem, anteontem e tantos mais que já passaram. Lembre de tudo, e o que doer, você não precisa deixar de lado, lide com isso, assim estará lidando com você mesmo.
E pare de fingir, porque eu sei que você finge. Não precisa provar que você é de ferro porque todos enxergam que você não é. Se fosse de ferro as suas lágrimas já teriam te enferrujado, e não te deixado mais forte como tem ficado, e perderia a utilidade em algum momento, mas você só faz melhorar porque o seu caminho é longo, lembra?
Ah, e não seja bobo, e nem se faça disso porque senão logo estará sendo de fato. E lute pelo que você tem acreditado, mas saiba reconhecer quando tiver que mudar os planos. Mas faz o seguinte: não mude se não for o melhor pra você. A maioria das pessoas são passageiras em nossas vidas, no entanto, sempre teremos a companhia de nós mesmos.    

quarta-feira, 13 de abril de 2016

Sou eu que te pertenço

Desde de ter você na minha vida que acredito num lado melhor pra todo o ruim. Tenho andando tão acostumada com a maldade, inclusive em mim mesma, que muitas vezes só vejo isso. Mas sorte a minha que te tenho pra me lembrar que maior que o egocentrismo, existe você que me divide ao meio pra te ver feliz. Que maior que a fome, existe seu olhar que me faz te dar a maior parte da bolacha. Que maior que o cansaço e a vontade de me esticar na cama, existe seu carinho que faz eu me encolher, só pra te caber perto de mim.
Eu sabia desde a primeira vez que te vi, que você seria o furacão que me tiraria do lugar, o que não sabia é que me colocaria de volta toda vez que eu precisasse. E eu nem preciso te contar, você só me olha e sabe. Sabe que eu tenho segurado o choro, que eu me faço de fortona mas sou uma esperançosa ridícula. Você sabe tanto de mim. Você sabe tanto sobre o comportamento das pessoas. Você conhece o mais profundo da gente sem que tenha sido dito. E eu sinto falta disso. Sinto falta de você todos os dias me fazendo rir. Eu sinto tanto por você ser o único assim na minha vida. Sinto inclusive por não conseguir ser igual.
Em meio a tanto acontecimento horrível, obrigada por permanecer sendo quem é, obrigada por permanecer comigo mesmo eu falhando tanto, obrigada por continuar me amando mesmo quando eu não sei amar. Obrigada. Pois hoje tomei a decisão de ser mais parecida com você, e apenas ignorar a maldade que vem de fora e de dentro. Serei mais feliz, mais leve. Vou me esforçar até cansar, terei menos preguiça, vou me espreguiçar e me alongar, vou tomar mais água e deitar mais relaxada. 
E também vou sentir mais, e recuar frente aos que não querem meu bem, sem alarde, sem desgaste, apenas virar e sair. Vou acordar empolgada e aproveitar mais a companhia de quem eu gosto tanto. Vou sentir mais saudades e sorrir nos encontros, como você. Vou perder menos tempo, e darei mais importância pro meu sono. Vou brincar mais e brigar menos e vou pensar mais em você (se é que é possível), pra me inspirar no melhor. Você é o melhor. Talvez porque não seja proposital. Cansei dos meus propósitos, quero mais da sua naturalidade na minha vida, e mais de você.
    

quinta-feira, 17 de março de 2016

Não sou obrigada a agradecer

Eu não me lembro de já ter falado tanto sobre esse assunto em tão pouco tempo, mas me lembro também de que não costumava receber tantos “elogios” por causa disso. De acordo com meus fiéis observadores, eu não sou agradecida com quem empurra minha cadeira, não digo “obrigada” sempre. Sabe galera, vocês têm razão, eu não digo mesmo, porque pra mim isso não é um favor e nem uma caridade, eu não preciso que seja assim, logo não é assim.
No entanto, se vocês enxergam que é sim um favor, não façam.  Aposto com vocês que continuarei indo onde eu quiser, pois mantenho por perto os verdadeiros, que me empurram com naturalidade e sabem que se não o fizerem, eu não poderei acompanhá-los, e estes escolhem me empurrar porque querem que eu vá junto. Pra eles sim eu agradeço, mas agradeço por serem transparentes comigo, dizendo quando estão cansados, quando eu estou pesada e quando eu abuso. Transparência essa que vocês são - no momento - incapazes de compreender. Não dou moral pra quem vive de discurso reproduzido.
Pior mesmo é quando finge que não. Finge que não tem pena, finge que não subestima, finge que não julga, finge que não finge. Facilitem, poxa, vocês são confusos pra caramba e é pra mim que apontam o dedo da não aceitação?! Parem de achar que é obrigação minha dizer “obrigada”, obrigação me esforçar, me adaptar, me esconder. Parem porque ficarão frustrados. E principalmente, parem de tentar consertar porque é um direito meu reagir.
Talvez no futuro eu tenha mais compreensão com gente pequena assim, mas hoje eu prefiro encerrar esse texto como um alerta de que: sim, eu percebo o que fazem. E não, não pretendo sorrir pra isso, e nem encenar que eu não me importo. Eu me importo, mas não porque dói, e sim porque os mesmos que me classificam sem conhecer minha trajetória, cobram de mim uma postura angelical que eu não preciso ter. Eu tenho rodas e não asas. 

sexta-feira, 4 de março de 2016

Vai procurar ser feliz, poxa

Um colega me enviou um vídeo que tem o princípio de mostrar como as pessoas reclamam do que têm, e sempre olham pro outro como se o que ele possuísse tivesse mais valor. O vídeo, após mostrar comparações entre carros, bicicleta, termina mostrando um cadeirante (triste) em uma sacada de prédio, observando alguém andar, e desejando poder ir a todos os lugares também. E então o vídeo acaba. Seria então a posição de um deficiente físico a mais funda no poço da tristeza?
Esse vídeo infelizmente retrata a forma como a maioria das pessoas são. Elas sentem inveja, e precisam olhar pro lado, olhar pro que o outro tem, seja pra sentir vontade de possuir o mesmo, ou seja pra se exibir por possuir mais. E esse mais exibido, vem sempre acompanhado de um boa quantia de infelicidade. Não sei vocês, mas penso que gente feliz olha pro lado pra repartir o que tem de bom, não perde horas do dia se preocupando com essa competição babaca de ver quem pode comprar mais.
O vídeo também relata a opinião da sociedade sobre os cadeirantes, como se ser cadeirante já automaticamente o classificasse como triste. O vídeo diz numa linguagem visual, claro, que não se deve reclamar pelo que você não tem, pois poderia ser pior, você poderia ser cadeirante. E digo, pela minha vivência, é assim que grande parte das pessoas me olham nas ruas, na universidade e, às vezes, dentro do meu círculo de amizade. Aproveitando esse assunto, sem mais enrolação, estou aqui pra dizer que sou sim triste, mas não quando olho alguém andando, coisa que não posso fazer. Mas sim quando vejo que o ser humano, depois de tantos anos permanece deficiente de alma. 
Sou triste quando um funcionário público humilha estudantes que precisam de auxílio pra permanecer na universidade. Sou triste quando agridem animais de rua, que não pediram e não tem culpa por estarem ali. Sou triste quando ligo a TV e as notícias boas são uma ou duas, deixadas para serem exibidas no final do jornal, depois de tanta tragédia ter sido mostrada, como se aquilo diminuísse o peso. Sou triste porque as pessoas querem sempre mais, e elas não erram por quererem, mas sim por não saírem do cama de manhã com essa determinação, preferindo sempre injustiçar aqueles que conseguiram grandezas com muita luta.
Se você ver esse vídeo, e se comover, serei triste porque de nada adiantou as minhas palavras, mas serei um pouco menos triste quando você entender que a cadeira de rodas não me entristece, pelo contrário, ela me permite. Me permite ir na cozinha beber água e me permite ser quem sou. E me permite pensar que se você precisa de pernas saudáveis pra ser feliz, então você nunca soube o que é felicidade de fato.


quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

Quem você é de verdade

Foi me aproximando de você que me distanciei do que eu sentia no início, e dos meus planos pra nós dois. Foi conhecendo seus segredos íntimos que me confundi sobre quem nós somos. Foi vendo seus defeitos que apaguei os sonhos pro futuro. Foi convivendo com seu desajeito que nos protegi com uma parede mais alta. Foi te vendo acordar estressado que reprogramei todas as falas de comédias românticas que eu imaginava dizer de manhãzinha. Foi tendo minhas imperfeições ditas por você, que repensei sobre dizer as dos outros.
Você não tem sido o que eu imaginei que seria ao meu lado, você tem feito tudo ao contrário do que eu acreditava ser bonito, não tem o clássico romantismo, nem delicadeza pra falar assuntos desagradáveis. Você não gosta dos filmes que me fazem chorar, e acha que eu perco meu tempo assistindo histórias tristes no cinema. Você nunca me trouxe o café na cama, e quando eu sugeri, você deu risada dizendo que essa era a ideia mais sem sentido de todas.
E apesar de você ser tão nada do que eu sempre sonhei, você trouxe pra minha vida algo que eu não seria capaz de prever, porque você não é óbvio como os filmes, você é autêntico, e consegue ser surpreendente sem levar o café na cama. Você me distanciou dos meus sonhos pra nós dois, porque você me apresentou uma vida real muito melhor. E o futuro não me preocupa desde que você disse, aquela vez lá na minha casa, que Deus cuida da gente, por isso nos juntou. 
Eu, como muitas meninas, esperei um dia crescer e encontrar o cara perfeito, que não olha pra outra mulher na rua, que não esquece as datas que considero importante, que não tem preguiça dos meus assuntos e que finge bem o interesse nos meus papos de mulherzinha. No entanto, você nunca fez questão de fingir nada disso, e hoje tenho certeza de que não poderia ter alguém mais bonito de alma ao meu lado. Você é verdade, é dor, é risada, é desconforto, é abraço rápido e abraço demorado, é ofensivo e é consciente ao pedir desculpas. Você é de verdade, e que a vida não me regrida ao tempo em que sonhava com alguém diferente de você.

terça-feira, 2 de fevereiro de 2016

Seja feia, por favor

Se você não tem 1,70 de altura não pode desfilar, se não tiver isso mas tiver um rosto muito bonito, pode ser capa de revista, mas se não tiver os traços perfeitos não pode, precisa dos traços perfeitos. Se não conseguir ser nada disso, então compre roupas da moda e seja sempre estilosa, mas não esquece da barriga sarada porque senão calças de cintura alta só te deixarão mais gorda, você não pode ser gorda, não está na moda ter mais que 50 quilos. 
Se você for magra, aí sim! Você vai arrasar, compre roupas sem economizar e abuse de combinações, afinal, você precisa ser notada, se você não é notada por onde passa você está fazendo tudo errado. Ah, mas esqueci de falar: não use uma cadeira de rodas, tá bom? Se você usar uma cadeira de rodas, todas as dicas que foram ditas acima não servem pra você, porque todos esperam que você use as roupas da sua avó e nunca pinte seu cabelo, nem pense em ter um cabelo bonito, nunca! E usar roupas da moda é proibido pra você porque quem usa uma cadeira de rodas já terá atenção, mas de outro tipo.
Se você usar uma cadeira de rodas e ainda se cuidar e se vestir bem, as pessoas te olharão com expressão espantada e elas não farão questão de disfarçar, e irão comentar alto sobre você... "Nossa, mas ela é tão bonita..." Entendeu? Se você usa uma cadeira de rodas, use apenas casaco de lã, o cabelo com um corte basicão e sempre que puder amarre, nem pense em maquiagem, isso não é pra você! Por quê? Porque é o que a sociedade espera de você.


P.s.: Sociedade, continue esperando.

sexta-feira, 29 de janeiro de 2016

O Limite Que Eu Criei

Acordo, viro e olho pra cadeira, invento mais sono pra não me esforçar. Adio. Aperta a vontade de ir ao banheiro, não tem mais jeito. Levanto. Poderia aproveitar e já trocar de roupa, imagino motivos modernos pra passar o dia de pijama. Dispenso. Olho pro relógio que me mostra que já está na hora do almoço, de canto enxergo o microondas e o armário alto onde estão guardados os pratos, descubro que tomar café está bem mais baixo e prático. Me prejudico. Como enquanto penso se isso tudo é preguiça ou é meu jeito torto de lidar com o que tenho. Não tenho resposta. Não lavo a louça, talvez essa parte seja de fato preguiça.
Sinto tédio e saudade da rotina de antes das férias, ou talvez da falta de tempo pra pensar na minha realidade, e do meu empenho em encontrar caminhos de melhorar vidas de outros, me tirando totalmente do foco. Não sei bem como lidar comigo, me dou conta disso e já são quase 17h, minha família já está quase chegando, talvez eu deva ser legal hoje, ser autoritária todos os dias me tornará previsível.
Minha família está aqui, me fazendo lembrar porque estou sempre bancando a forte. E percebo que por conseguir convencer tanta gente, talvez eu seja mesmo, mas não sempre. Gosto quando eu lembro que posso ficar triste, só não gosto que as pessoas pensem que demonstrar tristeza na segunda, significa que eu serei triste a semana toda. Esse texto veio pra mostrar meu lado mais secreto: que eu sou humana. E pra me incomodar porque não gosto que as pessoas saibam disso.

Deito e escrevo no celular, penso se devo ou não publicar algo assim,  repenso porque sei que algumas interpretações serão negativas. Decido não me importar. Tomara que eu não me importe mesmo.

quarta-feira, 20 de janeiro de 2016

Cortina Nova

Eu quando tinha 18 anos não chegava nem perto de pensar da forma como você pensa, da forma como você sempre me aconselha a pensar. Não que minha vida não tenha tentado me ensinar, ela tentou e me deu várias lições mas sou dessas que acha que sabe tudo. Aí me vem você, aquela menininha acompanhada de um velho barbudo, toda cheia "das sabedoria" que sempre tem resposta para os meus dramas. Na verdade, é um saco ser dramática perto de você porque sempre vê clareza onde eu vejo confusão e eu me sinto uma idiota.
Aliás, ser idiota nem sempre é negativo, somos tão idiotas juntas que hoje não consigo pensar em alguém melhor e mais confiável pra chamar de amiga-irmã. Irmã mais nova que manja mais da vida do que eu. Eu com a sua idade não me aproximava do que você é hoje, na verdade, mesmo com a idade que tenho hoje ainda não me aproximo, por isso preciso tanto de você e não só pra fazer meu miojo, mas também pra sempre me trazer de volta pra razão que eu perco fácil.
Hoje você não tem mais 18, agora tem 19, mas claro, cresceu trinta anos nesses meses corridos que ficaram pra trás, mas que construíram uma história que levarei pra toda vida. E espero ainda termos muitas noites mal dormidas e estudos atrasados de tanto que a gente fala e vai pro palquinho. Desejo também que você continue usando a mesma numeração de roupa e sapato que eu, pra eu poder ser hippie de vez em quando.
Parabéns não só pelo seu aniversário, mas por merecer o carinho e amor de tanta gente já na primeira conversa. Parabéns por ter paciência quando pegam a sua comida sem avisar, porque nós duas sabemos o quanto você gosta de comida. Parabéns por pensar que todas as mulheres são feministas, menos eu ;P Feliz aniversário Bre, comprei uma cortina nova pro quarto.