sábado, 26 de dezembro de 2015

Porque As Pessoas Machucam

É trabalhoso avaliar as palavras antes de jogá-las no mundo, no entanto, é menos trabalhoso do que tentar corrigi-las uma vez que já foram jogadas, e é também um tanto constrangedor pra quem assiste uma situação dessa. Fica fácil rir fingindo que é tudo brincadeira, só porque não se há honestidade o suficiente pra assumir o não gostar por alguém, rir é mais curto do que demonstrar verdade, talvez por isso as pessoas se ofendam tanto com desabafos.
Eu costumo suportar a grande maioria das vezes, levando em consideração a pouca experiência extrema de muitos, mas quando o sentimento sufoca não faço a questão de rir como se fosse brincadeira, teatro nunca foi minha praia, não rio de mentira e sempre que choro é por alguma verdade que vive dentro de mim, e muitas vezes vive apenas dentro de mim porque expor também dá trabalho e eu sinto preguiça ué.
Não tenho vergonha de quem eu sou por dentro e por fora, o meu exterior está em constante mudança e continuo me sentindo bonita nesse âmbito, simplesmente porque aceito que meu interior também muda o tempo todo, e que essa seja sempre a minha maior beleza porque sobreviver de elogios não me alimenta, mas me entristece o fato disso alimentar os que me rodeiam. 
As pessoas machucam porque não se importam com a história de quem está do lado, machucam porque perceber o outro exige tempo, tempo que quem machuca tende a usar arquitetando estratégias baixas de se sentir superior rindo das ofensas disfarçadas de brincadeiras. E deixando de lado qualquer brincadeira, apesar de nem todos os dias serem bons, acredito que o importante é permanecer desejando o bem pro outro, o melhor se for possível. 
Num evento que fui mês passado, disseram pra que eu desejasse um lugar onde gostaria que Jesus nascesse nesse Natal, e desejei. Hoje lembrando disso percebi que Jesus já habita em todos os lugares, o empasse não é seu nascimento no lugar ou não, e sim as pessoas que se esqueceram do quanto são pequenas e por mais que seja desconfortável ouvir isso, o quanto somos todos IGUAIS.   

terça-feira, 1 de dezembro de 2015

Você Me Amanheceu

Os dias passam depressa, exceto quando me vem uma lembrança nossa na cabeça. E as roupas pretas são sempre possíveis quando estamos longe, mas prefiro quando elas estão sujas de pelos. Minha cama aqui sempre sobra espaço, quando estou com o Bruno fica apertado, mas você e eu, fica perfeito, sou pequena pro tamanho do colchão mas você se estica e preenche o que falta.
Toda maçã que vejo, me coço pra não guardar pra te dar no próximo final de semana que eu for pra casa. Já notei que é inevitável não rir quando como uma bolacha, revivendo sua cara paralisada quando olha pra uma, seja salgada ou doce, desde que se chame "bolacha". Penso que se eu te der brócolis, desde que eu chame ele de bolacha, você vai fazer uma poça de baba tão grande quanto.
Nunca te contei, mas você apareceu em dias nublados, e veio pra ser meu sol, trouxe o que há de melhor no mundo pra dentro da nossa casa, você nos faz rir mais, nos tornou menos materialistas depois de tantos sapatos e móveis e sacolas e sapatos e roupas que você adotou como lanche da tarde. Tardes que nunca mais foram iguais desde a sua chegada, como alguém que entende os andar dos ponteiros do relógio, transborda receptividade para os que chegam cansados do trabalho, mas vendo sua animação sempre encontram vontade pra uma brincadeira.
Eu deveria escrever mais sobre você e encher menos o saco das pessoas com a minha empolgação falando das suas histórias. Como eu poderia me controlar tendo dentro de casa o mais incontrolável dos seres? Vou fazer da sua vida curta a mais longa jornada de caminhadas no sítio e de rios para nadar, passeios de carro pra me buscar e levar na rodoviária, principalmente nas voltas, eu sempre voltarei pra aí, como poderia viver longe do meu sol por tanto tempo? Me espera que eu estou chegando, e dessa vez ficarei por mais tempo, pra ocuparmos o espaço todo da cama, me aquecendo e deixando mais saudável como o sol que é, a madrugada está chegando ao fim, já já amanhece.